PUBLICIDADE
Topo

Veja 10 dicas para viajar com seu cãozinho em segurança no carro

Denis Freire de Almeida

13/12/2019 04h00

Vai levar seu "melhor amigo" em alguma viagem de carro durante as férias deste final de ano? Então veja 10 dicas para que sua diversão não vire um pesadelo nem para você e, principalmente, para o seu cãozinho.

Veja mais dicas do Direção Legal

1 – USE O CINTO DE SEGURANÇA CANINO – Assim como acontece com pessoas, o seu cachorro não deve viajar solto dentro do carro. Inclusive é uma infração de trânsito que rende multa e 5 pontos na Carteira de Habilitação. Há vários modelos de cintos de segurança caninos que prendem na coleira (de preferência peitoral) e no próprio cinto do carro. Além do cinto, é recomendada também uma cadeirinha específica para cães, que aumenta o conforto e segurança deles. Para raças maiores, o ideal é usar uma caixa transportadora ou uma grade divisória entre o porta-malas compartilhado (SUVs, crossovers e hatches) e o habitáculo do veículo. É proibido levar animais no lado externo do carro (tipo na caçamba de picape), com a cabeça para fora da janela (por motivos óbvios) e em porta-malas que não se comunicam com o interior do veículo (sedãs). Lembre-se que a 60 km/h, o peso é multiplicado em 19 vezes. Ou seja, um animal de 25 quilos passa a pesar quase meia tonelada!

2 – NUNCA LEVE-O NO BANCO DA FRENTE – É proibido transportar bichos de estimação nos bancos da frente, mesmo que estejam usando cinto de segurança. Além de serem um fator de risco de distração do motorista, os bichinhos podem se ferir gravemente durante a abertura do airbag em caso de acidentes.

3 – ACOSTUME-O A ANDAR DE CARRO – Não caia na besteira de pegar a estrada com o seu cãozinho se ele não está acostumado a andar de carro. O resultado pode ser desastroso… Leve-o para passeios curtos antes de se aventurar a deslocamentos mais longos. Se a viagem está perto, comece hoje a acostumá-lo e veja como ele reage e quais as necessidades específicas que ele tem. Se fica agitado, enjoado, medroso ou não. E busque o auxílio de um veterinário para minimizar eventuais sintomas.

4 – FAÇA UMA LONGA CAMINHADA – Antes de pegar a estrada, o ideal é gastar bastante energia do seu cãozinho, para que ele fique mais cansado e calmo durante a viagem e, quem sabe, até tire um bom cochilo. Dê algumas voltas no quarteirão com ele antes de colocá-lo no carro.

5 – FAÇA PARADAS RECORRENTES – Não viaje mais que duas horas ininterruptas com seu bichinho (o mesmo tempo recomendado para pausas do motorista). Mas alguns cães exigem intervalos mais curtos, neste caso o ideal é parar por 10 minutos de hora em hora. É o momento em que eles se distraem, gastam um pouco de energia e aproveitam para fazer as necessidades fisiológicas. Falando nisso, leve vários saquinhos de supermercado para recolher o cocô, além de lencinhos umedecidos para facilitar a limpeza em eventuais emergências. A fralda canina pode ser uma boa alternativa para viagens. Uma capa protetora do banco traseiro também torna tudo mais fácil…

6 – DIRIJA SUAVEMENTE – Tenha sempre em mente que seu cãozinho é tão sensível como uma criança e pode enjoar como tal, principalmente em trajetos sinuosos como subidas e descidas de serra. Evite acelerações e freadas bruscas ou qualquer outra manobra repentina. Adote uma condução preventiva bastante suave, se antecipando e evitando possíveis situações de risco.

7 – SAÚDE EM DIA – Leve sempre a carteirinha de vacinação na viagem, claro, com as vacinas em dia. Além de garantir mais segurança contra exposição a vírus e bactérias que seu cãozinho não esteja acostumado, o documento em dia pode ser solicitado por policiais rodoviários em caso de inspeção veicular na estrada.

8 – IDENTIFICAÇÃO NA COLEIRA – Parece óbvio, mas muita gente esquece de colocar uma plaquinha de identificação na coleira do cachorro como o nome dele, do cuidador, além do número de telefone para contato em caso de perda. Lembre-se que você vai viajar para um lugar diferente, no qual seu cãozinho não tem qualquer referência espacial. Os casos de bichinhos perdidos aumentam bastante nas férias. Além da plaquinha, vale também duplicar as informações em uma fita crepe colada na coleira. Vai que a plaquinha caia…

9 – NADA DE COMIDA ANTES – Evite dar de comer nas três horas que antecedem a viagem. Esse procedimento diminui as chances de enjoo e possíveis vômitos durante o trajeto. Se a viagem for muito longa, dê alguns petiscos, mas evite refeições até chegar ao local de destino.

10 – NEM SIBÉRIA, NEM SAARA – Atenção para a temperatura do carro! Se for equipado com ar-condicionado, evite temperaturas extremas, prefira algo em torno dos 22°C. Se carro não tiver o equipamento, fique atento à respiração ofegante e língua para fora da boca, ele pode estar com temperatura muito elevada. Aumente a frequência das paradas e capriche na hidratação do seu cãozinho. Boa viagem para vocês!

Siga o Denis no Instagram

Sobre o Autor

Denis Freire de Almeida é jornalista formado pela PUC-SP, com 25 anos de experiência na área de automotiva. É idealizador do “Direção Legal” e já trabalhou em veículos como Rede Globo, Quatro Rodas, O Estado de S. Paulo, Record TV e Webmotors. É piloto de testes certificado pela Federação Paulista de Automobilismo desde 1999, além de instrutor de Direção Preventiva e Defensiva.

Sobre o Blog

A ideia do “Direção Legal” é salvar vidas. Você sabia que “cai um Boeing por dia” nas ruas e estradas brasileiras? Isso mesmo, são 104 vítimas fatais todos os dias -- uma a cada 13 minutos. A melhor forma de evitar a ampliação desse número alarmante é informar sobre os riscos ao volante e dar dicas práticas de como minimizá-los. O que nos motiva é que 94% dos acidentes poderiam e podem ser evitados, já que são causados por falha humana. Embarque com a gente nessa viagem.

Blog Direção Legal